Carlos Fontes

 

 

Rota Cisterciense

(Ordem de Cister)

A Ordem de Cister foi uma das importantes ordens religiosas da Europa Ocidental. Possuía um vasta rede de convento (mais de 1700) desde Portugal até à Polónia.

Fundada em Cîteaux (Cister, França) por Roberto de Molesme, em 1098, os monges procuravam retomar o espírito inicial da Ordem de Cluny, marcado pela austeridade, pobreza e o trabalho manual conforme as prescrições da Regra de São Bento. Estabeleceram-se em zonas despovoadas, mas com solos férteis e água abundante.

A entrada de Bernardo de Fontaine (1090-1153) para o mosteiro de Cîteaux, em 1112, contribuiu de forma decisiva para a sua expansão. Destacou-se desde logo na fundação de abadia de Claraval (1115), que com outras La Ferté (1113), Pontigny (1114) e Morimond (1115) se tornaram nas abadias-mães das novas casas que se formaram por toda a Europa. Até 1125 fundaram cerca de uma nova abadia por ano. Em 1131 estavam já a fundar 11 novas abadias por ano. No período entre 1125 e 1151 fundaram-se mais de 327 abadias. No final do século XII tinham aberto 500 casas (1), transformando Cister na primeira grande ordem religiosa da Idade Média.

As primeiras filiais de Cister em 1115 e a máxima expansão da Ordem em finais do século XIII

Dotado de uma forte personalidade Bernardo de Fontaine, abade de Claraval, rapidamente domina a Ordem de Cister, e adquire uma enorme influência junto da Santa Sé, onde defende a expansão do cristianismo através de cruzadas e do poder dos Templários. Nos mosteiros da Ordem defende uma estrita observância da Regra de São Bento, uma vida centrada na oração, austeridade e na produção dos bens necessários à auto-suficiência da respectiva comunidade de monges. Aspectos que D. Afonso Henriques procurou  tirar partido, na afirmação da independência de Portugal, na reconquista e no povoamento, concedendo aos monges brancos vastos territórios.

A importância de S.Bernardo para a fundação de Portugal é evocada na Sala dos Reis em Alcobaça, onde o papa Alexandre III e S. Bernardo aparecem a coroar D. Afonso Henriques.

1. 

Mosteiro de São João de Tarouca 

Foi o primeiro mosteiro cisterciense de Portugal. A sua fundação remonta a 1144. Estava directamente ligado a Claraval, a casa-mãe da Ordem em França. Foi profundamente transformado nos século XVII e XVIII. Após a extinção das Ordens Religiosas foi vandalizado e uma parte do seu património edificado foi demolido. Mais

2. Mosteiro de São Cristovão de Lafões (São Pedro do Sul). Mosteiro beneditino aderiu à Ordem de Cister por volta de 1161. Mais
3.

Mosteiro de Santa Maria de Alcobaça

O Mosteiro de Alcobaça está classificado como património mundial. A sua biblioteca de manuscritos medievais iluminados é uma das maiores da Ordem de Cister em toda a Europa. Mais

4.

Mosteiro de Santa Maria de Salzedas (Tarouca)

Junto ao local subsistem as ruinas do primitivo mosteiro, na Quinta Abadia Velha (1150). O actual edifício começou a ser construído em 1155. Este mosteiro possuía um vasto património de que são exemplo a Ponte medieval de Ucanha ou a Quinta do Paço de Monsul. Mais

5. 

Mosteiro de Santa Maria de Aguiar (Figueira de Castelo Rodrigo). Fundado no século XII, por volta de 1170 aderiu à Ordem de Cister. Mais

6. 

Mosteiro de São Pedro das Águias (Tabuaço)

O primitivo mosteiro românico (Igreja de São Pedro Velho) foi substituído nos séculos XVII e XVIII por este edificio. O mosteiro oi extinto em 1834 e incendiado em 1836. Mais

7.

Mosteiro de Santa Maria do Bouro (Amares)

Antigo Mosteiro Beneditino, em 1195 adopta a reforma cisterciense. Teve um papel muito activo na defesa da independência de Portugal contra Castela.  Foi reconstruido nos finais do século XVI e XVII.  Depois da extinção das Ordens religiosas, em 1834, entrou em completa decadência. Está hoje transformado numa excelente pousada. 

Perto deste mosteiro fica o Santuário da Senhora da Abadia, amplamente remodelado no séculos XVII e XVIII.Mais

8.

Mosteiro de Santa Maria de Fiães (Melgaço)

A sua origem remonta ao século IX. Este antigo mosteiro beneditino (1142), adopta a reforma cisterciense  em 1194, ligando-se ao mosteiro de S. João de Tarouca. Após um longo período de decadência, em finais do século XVI, retoma o seu antigo prestígio. A capela românica de Senhora da Orada fazia parte deste mosteiro até ao século XIII. 

9.

Mosteiro de Santa Maria de Ermelo (Arcos de Valdevez)

Antigo mosteiro beneditino adoptou a reforma cisterciense em finais do século XIII, ligando-se ao Mosteiro de Santa Maria de Fiães. Em 1441 foi convertido em Igreja Paroquial, voltando à Ordem de Cister em 1497. Em 1560 foi extinto, sendo transformado em Igreja Paroquial. Em 1760 sofreu enormes transformações na sua estrutura inicial. O Colégio de S. Bernardo, em Coimbra, passou a receber os rendimentos das suas propriedades.

10. Santa Maria de Seiça (Figueira da Foz)
11. Mosteiro de Santa Maria de Maceira -Dão (Mangualde). Mosteiro beneditino fundado em 1161, aderiu pouco depois à Ordem de Cister.
12. Mosteiro de São Paulo de Frades (Almaziva, Coimbra). Fundado por volta de 1181, em 1220 aderiu à Ordem de Cister.
13.

Mosteiro de Santa Maria das Júnias (Montalegre)

A sua origem remonta ao século IX. No século XIII adopta a reforma cisterciense, ligando-se ao Mosteiro de Santa Maria do Bouro e/ou de Santa Maria de Oseira (Galiza). Após um longo período de decadência foi reconstruído nos século XVI/XVII. Após a extinção das Ordens religiosas foi praticamente abandonado.Mais

14.

Mosteiro de São Pedro e São Paulo de Arouca

Antigo mosteiro benedito, adoptou a reforma cisterciense em 1220. Trata-se de um mosteiro real, ligado à figura de D. Mafalda, filha de D. Sancho I. Foi um dos mais importantes mosteiros femininos de Portugal. No século XVIII foi totalmente reconstruído. É um dos mais belos complexos monásticos do país.

15. Mosteiro de Santa Maria do Lorvão (Penacova). Mosteiro Feminino. Mais
16. Mosteiro de Santa Maria de Celas (Coimbra). Mosteiro feminino fundado em 1221.
17. Mosteiro de São Dinis (Odivelas). Mosteiro feminino mandado construir por D. Dinis entre 1295 e 1305, no qual se encontra sepultado. Mais
18. Mosteiro de São Bento de Cástris (Évora). Antiga ermida dedicada a S. Bento, construída em 1169, sendo mais tarde transformada num mosteiro feminino (1328).
19. Mosteiro de Santa Maria de Almoster (Santarém). Mosteiro feminino fundado no século XIII. Mais
20. Mosteiro de Nossa Senhora da Purificação (Moimenta da Beira). Construído durante o século XVI, por iniciativa do Dr. Fernão Mergulhão, que obteve a autorização do Papa Clemente VIII. Mosteiro feminino.
21. Real Mosteiro de Nossa Senhora da Nazaré do Mocambo. Também foi conhecido  por Abadia de Nossa Senhora da Nazaré do Mocambo ou Convento das Bernardas do Mocambo (Lisboa). Mosteiro feminino. Mosteiro feminino fundado em 1653. Mais
22. Mosteiro de São Bernardo ou de Nossa Senhora da Conceição (Portalegre).Mosteiro feminino fundado em 1518, pelo bispo da diocese da Guarda - Jorge de Melo.
24.

Mosteiro de Santa Maria de Cós (Alcobaça)

Mosteiro Feminino. O edifício actual foi mandado construir no princípio do século XVI, sendo posteriormente objecto de várias campanhas de obras. Mais

25. Mosteiro de São Bernardo (Tavira). Mosteiro feminino mandado construir por D.Manuel I em 1509 .
26. Mosteiro de Nossa Senhora do Desterro (Lisboa). Mosteiro feminino fundado em 1591. Mais
27. Mosteiro de Nossa Senhora da Assunção de Tabuosa (Sernancelhe). Foi fundado no ano de 1692 sendo o último mosteiro a ser criado em Portugal e o 12º. da Ordem de Cister.
28. Colégio de São Bernardo (Coimbra). Fundado em 1550 pelo Cardeal Infante D. Henrique.
.  

Ordem Militar de Avis

A Regra de São Bento e a Constituição de Cister foi adoptada pela Ordem Militar de Aviz

 

  Carlos Fontes
 

(Notas:

(1) Bolton, Brenda - A Reforma na Idade Media. Edições 70.1983

.