Director: Carlos Fontes

Barbárie

Anterior
 

.

Europa:

Os imigrantes negros e muçulmanos são um perigo público ?

.

 .

A onda de destruição que varreu a França, em Novembro de 2005, foi interpretada em muitos países da Europa como a confirmação da teses há muito propaladas pela extrema-direita: a entrada maciça de imigrantes africanos e muçulmanos, mais dia menos dia acabaria por se tornar num perigo para a ordem pública. A razão não seria de natureza racial, mas cultural. 

1. Negros e Árabes 

Os africanos negros, estariam marcados pelas memórias da colonização europeia, nomeadamente pela escravatura. Ainda que os seus filhos possam aceder à cidadania francesa, inglesa, portuguesa, italiana, alemã ou outra qualquer europeia, jamais se sentirão verdadeiramente europeus. A cultura e a história destes países europeus, seria um obstáculo intransponível para o nascimento de laços de pertença. 

A mais pequena dificuldade nos seus percursos de vida, acaba inevitavelmente por fazer renascer antigas humilhações, complexos de inferioridade ou memórias colectivas julgadas esquecidas ou aceites sem desconforto. A culpa será sempre atribuída aos antigos colonizadores, nunca assumida pelos próprios. O ódio torna-se um lema de vida.

Os muçulmanos, não importa a raça, seriam sempre uma ameaça pela forma como procuram impor-se e não integrar-se num espaço cultural que não é seu. Onde chegam procuram desde logo delimitar o seu território, subtraindo-o ao domínio dos infiéis. A cidadania quando lhes é concedida num qualquer país de matriz cristã, pouco mais é do que uma mera formalidade legal aceite por questões de sobrevivência. 

Um muçulmano jamais se sentirá francês, português, italiano, espanhol, etc. Com base nestas teses está a ser explicada as "reais " motivações dos muçulmanos envolvidos nos atentados e assassinatos nos EUA, Espanha, Holanda, Grã-Bretanha e agora nos actos de vandalismo ocorridos em França. O seu objectivo comum é o de destruírem os povos infiéis (cristãos, judeus, etc). Neste contexto, de nada serve à França proclamar-se como um Estado laico, quando o que está em jogo é a justamente a sua matriz cultural cristã. 

A conclusão acaba por ser sempre a mesma: Os imigrantes muçulmanos nunca serão integráveis, e quantos mais forem maior será o perigo que representam para a ordem pública.     

Este tipo de discursos aponta claramente para uma perspectiva de in-comunicação entre os povos e culturas. A mestiçagem é assumida como um caminho perigoso, porque enfraquece uns em detrimento de outros, nada cria de novo.  

2. Um Difícil Parto

A globalização acentuou um fenómeno que em alguns países europeus, nomeadamente Portugal, evidenciavam desde os anos 70: Está a nascer uma nova Europa, fruto do cruzamento entre os europeus e os povos das suas ex-colónias. Um intensa mestiçagem está a ocorrer na Europa, semelhante à que ocorreu no Brasil.

Como em qualquer processo histórico desta natureza há um factor que é essencial, mas é sempre doloroso - o tempo. É necessário tempo para que ocorram cruzamentos de povos e culturas,  para que entre pessoas de origens muitos diferentes se crie e consolide uma história em comum, permitindo o nascimento de novas culturas que superem velhos ódios e discriminações.

Uma coisa é certa, os europeus manifestam hoje um profundo e generalizado sentimento de nostalgia pelo seu passado. Um sentimento muito  idêntico àquele que experimentaram os romanos quando assistiram impotentes à derrocada do seu Império. Os europeus, durante séculos, viveram orgulhosos da sua herança cultural (greco-latinas, judaico-cristão), mas também dos seus valores e histórias nacionais. Hoje sentem que os seus valores estão em declínio. A razão é simples: a maioria dos novos habitantes da Europa, fruto de uma intensa e imprescindível imigração,  não se identificam com os seus valores, nem com a sua cultura e história. Em muitos casos manifestam uma viva hostilidade a tudo o que a mesma significa.

O Exemplo Francês

A França é, neste aspecto, o melhor exemplo desta agonia cultural da Europa. A imagem que este país tem de si próprio e aquela procura difundir no exterior está desfasada do tempo. A forma como a França interpreta o seu passado nos dois últimos séculos, por exemplo, é inaceitável para os novos imigrantes. Eles são oriundos de países conde os franceses praticaram em larga escala o tráfico de escravos, saques e matanças sem fim. É por isso que as grandes referências culturais da nação que se auto-proclama guardião dos grandes valores universais, como Liberdade, Igualdade e Fraternidade,  nada dizem a mais de 10% da sua população originária do norte de África e a sul do Sahara, quase todos de religião muçulmana (argelinos, marroquinos, tunisinos, etc).

A França acolheu imigrantes (mão-de-obra barata), mas remeteu-os para os arredores das suas cidades, confinando-os a guetos. Espera que as suas raízes desapareçam ou os seus traços fisionómicos se ocidentalizem. Se por um lado lhes concede a cidadania, por outro recusa integrar a cultura destes povos na cultura francesa (assumida como muito superior).

A discriminação instalou-se na sociedade francesa. Uma parte da sua população começou a ser tratada como franceses de segunda, olhados com desconfiança. Acontece que estes imigrantes não pararam de aumentar. O dilema é que sem eles a economia francesa não funciona.

Toulouse. 8 de Novembro de 2005. Imagens como esta esvaziaram a credibilidade da retórica francesa sobre os direitos humanos. 

.

 

Estes processos históricos nunca foram pacíficos, as guerras no passado foram sempre uma constante, esperemos que agora não ocorram. Se assim acontecer, algo já se terá aprendido. 

Carlos Fontes

 

Para nos contactar:
carlos.fontes@
sapo.pt