Jornal da Praceta


Informação sobre a freguesia de Alvalade

(Alvalade, Campo Grande e São João de Brito )

Segurança em Alvalade

 

2016: A Alameda da Universidade, de novo ao abandono?

 

Dia 15 de Janeiro de 2016. O SCP jogava em Alvalade com o Tondela. A PSP, em colaboração com a EMEL montou com um apenas guarda uma ação de vigilância ao estacionamento selvagem no jardim do Campo Grande, mesmo em frente do Museu da Cidade (Palácio Pimenta). No jogo anterior, o parque da EMEL tinha ficado praticamente vazio, mas o relvado que o envolve e a ciclovia que o atravessa fora completamente danificado pelo estacionamento selvagem. Mais

 

.

Polícia Municipal de Lisboa em Ação no Bairro das Caixas

 

 

 

No chamado Bairro das Caixas" em Alvalade, entre Dezembro de 2015 e Março de 2017, viveu-se um período de grande agitação. A PSP e a Policia Municipal de Lisboa fizeram aqui uma ação sistemática de combate ao estacionamento selvagem.  Por todo o lado ouviam-se protestos dos moradores, sem que ninguém fosse informado das razões de tanta perseguição. Generalizou-se a convicção que o objectivo era a simples "caça à multa".

 

Nesta mesma altura, nos logradouros, onde abundam as lixeiras e as construções clandestinas, realizaram-se importantes ações de limpeza como nunca tinham ocorrido. Nestes espaços, a PSP e a Policia Municipal não realizaram qualquer intervenção fiscalizadora ou elaboram qualquer auto de ocorrência. Limitaram-se a ver.

 

A  razão os protestos, como se veio a verificar,  ficou a dever-se a uma completa falta de informação e coordenação entre as várias entidades públicas.

 

1. Reversão dos Logradouros para CML

 

Após 13 anos de luta do Jornal da Praceta, em 2014, a CML e o IGFSS finalmente entenderam-se e decidiram reverterem para o domínio municipal os terrenos sobrantes do Bairro das Caixas, células 1 e 2 do Bairro de Alvalade (Proposta nº760/2014). A partir desta altura ficaram criadas as condições legais para a requalificação dos logradouros, dos caminhos pedonais e combater as carências de estacionamento neste bairro.

 

2. Plano de Expansão da EMEL

 

A EMEL, ainda em 2014,  apresentou um plano de intervenção no Bairro das Caixas e nas Murtas, outra grande reivindicação do Jornal da Praceta desde 2001. O Plano da EMEL passava por uma operação de limpeza nos logradouros e das Murtas, e a sua progressiva requalificação, em articulação com a CML. O objectivo era criar novos parques de estacionamento e introdução de parquímetros em todo o Bairro das Caixas.

 

3. Projectos da CML

 

No primeiro semestre de 2015, os serviços da CML, com a colaboração da arquitecta paisagista Helena Barros Gomes, procederam ao cadastro e estudo a requalificação dos logradouros, definindo as prioridades de intervenção que deveria ser realizada (as prioridades não foram cumpridas).  

4. Intervenção da PSP/Polícia Municipal de Lisboa

Enquanto se procedia à limpeza dos logradouros, a partir de Dezembro de 2015, a policia no Bairro das Caixas começa a multar de forma indiscriminada os automóveis mal estacionados, não apenas os que ocupavam os passeios.

 

Por todo o Bairro das Caixas ouvem-se protestos contra a atuação da policia. O que tornava absurda esta atuação policial era o facto das ruas não terem os lugares assinalados para estacionamento. Aos olhos dos moradores a atuação da polícia era simplesmente arbitrária. Em muitos casos não se conseguia encontrar  uma justificação plausível. "A caça à multa" era explicação mais repetida.

 

5. Intervenções no terreno

 

Apenas em Junho de 2016 os lugares para estacionamento começaram a ser marcados nas ruas. As obras para os novos parques de estacionamento, junto à Rua Afonso Lopes Vieira e nas Murtas, só arrancaram em Outubro 2016. A instalação dos parquímetros só ocorreu em 2017...

 

Em todo este processo, a atuação da CML, Junta de Freguesia, EMEL e da Policia revelaram uma total descoordenação, provocando inúmeras reações negativas e  escusadas dos moradores. Apesar deste mau começo, espera-se que o projecto de requalificação dos logradouros seja prosseguido, e que não seja necessário esperar mais 13 anos de luta do Jornal da Praceta !

 

 

Registo : Dez. 2015 - Jan. 2016

 

"Desde o inicio do mês de Dezembro de 2015, que Policia Municipal tem realizado uma ação sistemática de disciplina do estacionamento selvagem na Avenida do Brasil e na zona conhecida pelo Bairro das Caixas, ambas em Alvalade.

 

As multas e o reboque de viaturas são constantes e sistemáticos, mas basta um dia em que a policia não intervenha para tudo voltar ao mesmo e o caos se instalar. Nesta guerra quem ganha, por enquanto, são os moradores sobretudo os mais idosos e os cofres do Estado. O problema esse persiste. Porquê ?

 

A razão é simples: estas ações são inúteis porque não envolvem de forma coordenada ações igualmente indispensáveis da Câmara Municipal de Lisboa, Junta de Freguesia de Alvalade e da EMEL.

 

1. A Polícia Municipal de Lisboa está fazer, em parte o que lhe compete: reprimir o estacionamento, mas não atua na repressão da apropriação ilegal dos logradouros públicos. Mais 

Como há anos não se via, os passeios da Rua Afonso Lopes Vieira estão por vezes livres de automóveis. Foto: 28/01/2016

 

 

2.  A EMEL gastou centenas de milhares de euros na limpeza do lixo nos logradouros públicos no Bairro das Caixas, mas não os transformou em parques de estacionamento públicos, nem sequer ordenou o estacionamento no bairro ou instalou parquímetros. Mais

 

Aspecto de uma das áreas limpas pela EMEL e que foi de imediato abandonada. Foto: 28/01/2016

 

3. A Junta de Freguesia de Alvalade, atualmente com grandes competências de intervenção do espaço público, não coordena estas ações a nível local, colocando-se de fora do problema. Mais

 

 

4. A Câmara Municipal de Lisboa demitiu-se à muito do problema, pactuando com ilegalidades e dando um péssimo exemplo aos municipes ao manter instalações no bairro ao abandono. Mais

 

Devido ao combate da Polícia Municipal ao estacionamento selvagem nas ruas, este passou para os logradouros públicos no Bairro das Caixas. Quando a Polícia abranda a repressão, os passeios nas ruas voltam a ficar ocupados por automóveis. Foto: 28/01/2016

 

Face a tudo isto não admira que estas ações da Polícia Municipal de Lisboa e o dinheiro gasto pela EMEL estejam condenadas ao mais absoluto fracasso. O único resultado concreto desta ação policial tem sido a estacionamento selvagem nos logradouros limpos ou não pela EMEL.

 

 

Uma agente da Policia Municipal de Lisboa, presta esclarecimento sobre a ação que estava a empreender ao conhecido escritor e ator de telenovelas Tozé Martinho, cuja sede da empresa - Tezeeme Produções, Artes & Entretenimento fica situada na Rua José Lins do Rego. Foto: 3/12/2015

 

No inicio de Dezembro de 2015 muitos moradores e outros automobilistas que costumam estacionar as suas viaturas em tudo quanto é sítio na Av. do Brasil (próximo do Campo Grande), Rua Afonso Lopes Vieira (início) e na Rua José Lins do Rêgo foram surpreendidos com uma intervenção da Policia Municipal. Choveram multas por estacionarem em passeios e outras áreas não previstas para o efeito.

 

As opiniões naturalmente dividiram-se. Alguns aplaudiram, outros protestaram. Como o Natal se aproximava, muitos foram que viram nesta ação polícia uma mera caça à multa para para compensar os gastos públicos com festejos natalícios.

 

Dado que depois do Natal a ação policial prosseguiu e continua por todo o mês de Janeiro de 2016, os argumentos prós e contra tornaram-se mais consistentes.

 

 

Situação em Janeiro de 2016

 

Das ações que a Policia Municipal de Lisboa desde o inicio de Dezembro de 2015, destacavam-se as seguintes:

 

1.  Ocupações ilegais de terrenos públicos no Bairro das Caixas:

 

A Policia Municipal de Lisboa conhece em detalhe a situação e, segundo várias fontes por nós contactadas, estaria a agir...

 

Depósito de entulho de obras que está a ser criado num caminho público, junto à escola básica nº33 e nas traseiras de instalações camarárias na freguesia de Alvalade. Foto: Novembro de 2015.

 

Ao longo dos anos, por exemplo, no chamado "Bairro das Caixas" em Alvalade, os espaços públicos foram e continuam a ser ocupados com construções legais ou transformados em enormes lixeiras na maior das impunidades, sem que aqueles que publicamente o fazem sejam alvo de qualquer atuação por parte da polícia municipal.

 

Os resultados desta ação em janeiro de 2016:  resultados nulos. Mais 

 

2. Estacionamento caótico na Rua Afonso Lopes Vieira

 

No dia 3/12/2015 e vários dias depois, a Policia Municipal de Lisboa multou e rebocou muitas viaturas estacionadas em cima dos passeios ou em zonas na reguladas. O problema como sabido, é que os locais de estacionamento não estão marcados (1), as vastas áreas existentes nos logradouros estão ocupadas por barracas e outras construções ilegais (2). A zona é apetecível para estacionar, sem pagar, para todos aqueles que entram em Lisboa (3). A EMEL tarda em introduzir parquímetros na zona (4).

 

Os resultados desta ação em Janeiro de 2016: resultados nulos. Mais

 

3. Estacionamento Caótico em Paragens de Autocarros na Avenida do Brasil

 

A situação é verdadeiramente chocante. Nas paragens mais movimentadas da freguesia de Alvalade, na Avenida do Brasil, para que vem do Campo Grande, as pessoas são literalmente atiradas para o meio da rua. Os passeios estão sempre apinhados de automóveis, caixotes de lixo, anúncios, trabalhadores a lavarem viaturas, etc.

 

 

Os resultados desta ação em Janeiro de 2016: resultados nulos.  Mais

 

A esmagadora maioria estava de acordo num ponto: É urgente que a CML/Junta de Alvalade/EMEL ordene o estacionamento nesta zona (uma antiga reivindicação dos moradores). Introduzam parquímetros." Fevereiro de 2016 ".

 

Polícia Municipal da Câmara Municipal de Lisboa
Morada: Rua Cardeal Saraiva - 1070-045 Lisboa

    Linha Azul:  808 20 20 36

Telefone: 217825200 - E-mail: pm@cm-lisboa.pt

Se perguntarmos ao comum dos munícipes quais são as funções da Policia Municipal de Lisboa a maioria dirá que se reduzem ao policiamento de certas iniciativas camarárias, como festas e recepções e pouco mais. No entanto legalmente as suas competências são de tal maneira amplas que é difícil compreender porque os munícipes não as reconhecem.

O site da CML diz-nos que a sua missão é "contribuir para a melhoria na qualidade de vida dos cidadãos", atuando nas seguintes áreas: Alojamento; Comércio e Abastecimento; Defesa e Proteção da Natureza e do Ambiente; Diligências Processuais; Emergência; Espaço Público; Património Municipal; Policiamento; Policiamento Comunitário; Saúde Pública; Segurança; Urbanismo e Edificação; Trânsito e Mobilidade.

Apesar desta informação camarária está generalizada a convicção generalizada da irrelevância, o que se deve possivelmente a uma simples constatação pública:

Se a policia municipal tivesse efectivamente as competências que lhe são atribuídas, seriam inconcebível continuarmos a assistir diariamente e de forma reiterada a tantos crimes, por exemplo, contra o ambiente sem qualquer atuação por parte da mesma se fizesse sentir. 

 
Sismos

Um problema de segurança inadiável. O que está a ser feito ? Mais

Zona do Campo Grande

Casos

O Campo Grande em Lisboa é não apenas conhecido pela escandalosa apropriação privada de espaços públicos, com a conivência de assessores, dirigentes e funcionários camarários, mais também pela sua elevada criminalidade. Mais

Zonas Perigosas

Devido às características desta zona, atravessada por um grande eixo de viação e existência de grandes parques, a questão da segurança assume aqui características próprias.

Num estudo recente realizado pela PSP e o SIS, entre as zonas consideradas de Alto Risco da Região de Lisboa, surge a Azinhaga das Murtas, no Campo Grande. Nesta preocupante classificação destaca-se também o Bairro de S. João de Brito, na freguesia do mesmo nome. Esta inclusão não nos admira, o que sempre estranhamos foi a indiferença como as autoridades supostamente competentes encaram o assunto.

O caso das Azinhaga das Murtas é revelador da forma como as diversas entidades públicas encaram estes problemas. Durante anos existiu aqui um problemático bairro de barracas. No local foram construídas edificios modernos para realojar os respectivos moradores, com o apoio do Estado, CML e da Igreja Católica. Acontece que os problemas sociais persistiram e até se agravaram. O falhanço foi total. Mais

 

Um perigo constante: Aeroporto Internacional de Lisboa

 

 

Ninguém dúvida que um aeroporto internacional dentro da cidade de Lisboa é um perigo permanente para todos os seus habitantes. Ao perigo junta-se uma enorme poluição sonora e atmosférica provocada pelo tráfego aéreo, que atinge particularmente as populações que residem nas rotas do aviões. A poluição nas zonas das antigas freguesias de S.João de Brito e do Campo Grande, representa actualmente uma morte lenta para os seus habitantes, dado ter-se ultrapassado todos os os níveis de poluição permitidos na legislação nacional e comunitária.

 

Após mais de quarenta anos de estudos houve um governo tornou uma decisão de mudar o Aeroporto de Lisboa para Alcochete, mas a "Crise" levou a que tudo ficasse na mesma. Mais

 

Jogo em Alvalade = Destruição Anunciada no Campo Grande

Como acontece há longos anos, sempre que o Estádio de Alvalade tem casa cheia, hordas de automobilistas invadem os arredores do Estádio, estacionando em tudo o que é sítio provocando uma verdadeira onda de destruição. Mais

 

Zona do Bairro de Alvalade

Roubo de Cobre em Alvalade

A ladroagem tem feito uma verdadeira razia no bairro de Alvalade a tudo o que seja cobre ou bronze: puxadores de portas, corrimões das escadas, fios eléctricos, etc. Os sucateiros, em Portugal e Espanha, fazem fortunas com a compra deste material roubado. Em Fevereiro de  2013, uma parte do bairro de Alvalade ficou às escuras devido ao roubo de cabos de cobre da Portugal Telecom. Em Agosto foi a vez de desaparecer a placa de homenagem ao compositor Frederico de Freitas na Av. dos EUA. Mais.

Casos

Alvalade, com excepção do Campo Grande, está longe de poder ser considerada uma zona insegura. O que predomina é a pequena criminalidade, a maioria das vezes não participada. Mais

   




 

 

Entrada

História local
Guia do Lazer
Quiosque
 
 

Sismos: O que está a ser feito?

O Serviço Municipal da Protecção Civil de Lisboa, acaba de divulgar uma carta com as zonas da cidade que serão previsivelmente mais afectadas no caso de ocorrer um sismo. O Campo Grande aparece assinalada como uma das zonas mais vulneráveis na cidade. Mais