Jornal da Praceta

Informação sobre a freguesia de Alvalade

 

 

 

Eleições Autárquicas - 2017

(1 de Outubro)

 

Câmara Municipal de Lisboa - Junta de Freguesia de Alvalade

As principais cabeças de cartaz para as eleições autárquicas de Lisboa estão já em plena campanha eleitoral. Quem são e o que se propõe fazer para melhorar a cidade de Lisboa e a freguesia de Alvalade é isso que vamos saber e analisar até à eleições.

Câmara e Assembleia Municipal de Lisboa

Partido Socialista. Fernando Medina, presidente da CML desde 2013, está na linha da frente. A sua gestão da cidade tem suscitado o aplauso de muitos, sobretudo porque ainda está na memória de todos a gestão ruinosa de Santana Lopes/Carmona Rodrigues (2002/2007).

Fernando Medina em Alvalade, aquando da inauguração do Centro Académico de Lisboa, acompanhado pelo reitor da UL e do arquitecto da obra (3/10/2016)

Partido Comunista Português (PCP). João Ferreira, vereador na Assembleia Municipal de Lisboa e Eurodeputado apresenta-se pela segunda vez como o principal candidato do PCP à CML. Em 2013 o PCP obteve 22.519 votos (9,58%), espera agora subir a sua representação. Na apresentação da sua candidatura (jan.2017) acusou o Partido Socialista de tudo e botas:

- Favoreceu a especulação imobiliária e outras negociatas, como no caso Bragaparques.

- Expulsou centenas de milhares de jovens da cidade.

- Agravou a situação do comércio local e das atividades económicas em geral.

- Entregou a privados importantes equipamentos municipais, como o Capitólio, o Pavilhão Carlos Lopes, parte do Terreiro do Paço e da frente ribeirinha.

Ideias para a cidade por enquanto nenhumas, só denúncias.

Bloco de Esquerda (BE). Ricardo Robles (engenheiro civil), líder da bancada do BE na assembleia municipal tem-se centrado mais nas propostas (consensuais), do que nas denuncias da gestão do PS:

- Denuncia uma gestão municipal que tem favorecido o automóvel privado em detrimento dos transportes públicos. 

- Defende a adopção de medidas que favoreçam a mobilidade suave, isto é, o uso de bicicletas.

- Defende a expansão e o cuidado dos espaços verdes.

CDS-PP. Seguindo uma tradição (tristemente) inaugurada por Paulo Portas, a atual líder deste partido - Assunção Cristas -, também se candidatou à CML.

Trata-se de uma candidatura oportunista, cujo único objectivo é aproveitar estas eleições para a líder do CDS-PP reforçar a sua notoriedade pública. Uma vez eleita vereadora como fez Paulo Portas, é de imediato substituída por uma personagem que ninguém conhece. Assunção Cristas não é excepção neste tipo de expedientes. A única coisa que tem a seu favor é ter revelado que não tem nenhuma ideia para melhorar Lisboa. Espera que alguém lhe diga o que deve fazer.

 

PSD. O processo de selecção de um candidato do PSD para Lisboa revela bem a forma como os partidos encaram os munícipes: uns atrasados mentais !

Durante mais de um ano este partido andou à procura de figuras públicas, não importava o seu conhecimento da cidade, para se candidatarem à CML e juntas de freguesia.

O único com algum conhecimento era chefe de fila do partido para Lisboa - António Prôa. Em tempos conseguira dizer duas ou três coisas com sentido sobre a cidade, mas depois envolveu-se na intrigalhada partidária e perdeu-se.

É por esta razão que o líder do PSD andou atrapalhado nesta escolha, e o que encontrou sempre foi a rapaziada do costume. Gente muito pouco recomendável.

Andou ao colo com o maluquinho dos automóveis, mas lá acabou por perceber que aquilo que a cidade não suporta é mais automóveis, nem mais destruição da rede de transportes públicos. Depois convidou um conhecido director de um canal de televisão, mas o próprio recusou o convite, pois a sua "especialidade" eram programas televisivos e não a gestão de uma cidade. Constava que iria voltar a convidar o futebolista Paulo Futre agora para a presidência da CML, e não como ocorreu em 2013 para uma junta de freguesia.

Após uma longa reflexão de Passos Coelho (líder do PSD), no dia 19 de Março de 2017, anunciou que a sua candidata à CM de Lisboa era Teresa Leal Coelho (1962-?). Morou em Alvalade logo após ter vindo de África, estudou na Escola Secundária Padre António Vieira.

Trata-se de um personagem com ligações ao pior que o país já conheceu. Foi administradora da SAD do SLBenfica no tempo de João Vale e Azevedo, que devido à inúmeras falcatruas acabou preso. Do SLB saltou para o Centro Cultural de Belém, onde acabou por ser corrida acusada "Abuso de funções e utilização abusiva do nome da instituição".

Integrando a lista do PSD à CML, em 2013, acabou eleita vereadora. Desde logo se salientou pela falta de assiduidade às reuniões camarárias (falhou 91 das 153 reuniões ), assim como pela ausência de ideias e de intervenções sobre a cidade. Nas 127 atas destas reuniões, correspondentes a 3 anos e meio, apenas numa falou de forma vaga e inconclusiva sobre o comércio tradicional. 

Estamos perante mais uma figura que espelha a costumeira falta de respeito dos partidos políticos perante o eleitores, só possível devido a um sistema eleitoral que é a negação da própria democracia.

Teresa Leal Coelho na primeira entrevista que deu como candidata a Lisboa (Observador, 30/3/2017) revelou aquilo que já se sabia sobre a mesma: um profundo desconhecimento sobre os reais problemas da cidade, acabando por se refugiar na demagogia e no anúncio de futuras negociatas.

Algumas das suas promessas:

- Reduzir o IMI para 0% (a principal receita das câmaras municipais)

- Acabar com a taxa municipal de proteção civil (21,6 milhões em 2016), desconhecendo que a mesma não era paga com a factura da água.

- Lotear os terrenos da antiga Feira Popular em Entrecampos.

- Privatizar a Carris.

- Diminuir as ciclovias na cidade, dando primazia aos automóveis.

Tratam-se de Ideias desgarradas, sem qualquer enquadramento político, mas que serão usadas para encher páginas de jornais afectos ao PSD a tentar justificar a existência desta candidatura.

Espera-se o pior desta candidata de recurso.

 

Junta e Assembleia de Freguesia de Alvalade

PS. A atual freguesia de Alvalade reúne três antigas freguesias (Alvalade, S. João de Brito e Campo Grande).As duas primeiras eram verdadeiros bastiões da direita em Lisboa.

A vitória do PS, em 2013, deveu-se sobretudo ao trabalho realizado por António Costa à frente da CML. Ninguém conhecia  - André Móz Caldas  - o candidato do PS à Junta de Freguesia.

O PS ganhou as eleições em 2013 com uma percentagem de 46,35% (6.592 votos), mas com uma elevadíssima percentagem de abstenção. Dos 30.414 eleitores inscritos, apenas votaram 14.221 (46,76%). O PS ganhou com maioria absoluta a CML com 50,91% dos votos.

O novo presidente da junta de Alvalade revelou desde inicio uma enorme capacidade de trabalho sem paralelo com os presidentes das juntas de freguesia anteriores, a maioria dos quais personagens sinistras, cuja única preocupação era a intrigalhada partidária.

Temos que reconhecer que desde 2013 muita coisa mudou para melhor na freguesia:

- A limpeza e requalificação de alguns logradouros do "Bairro das Caixas", nomeadamente a sua transformação em dois parques de estacionamento.

- A requalificação de diversos jardins e espaços verdes na freguesia.

- A melhoria da limpeza das ruas, um facto só por si assinalável. Proliferavam as lixeiras pela freguesia de Alvalade.

- Diversas obras de fundo, em colaboração com a CML, como a repavimentação de ruas, construção de um polidesportivo no Bairro de Fonsecas e Calçada, arranque de construção do Bulldog Stadium, requalificação das escolas básicas da freguesia, etc.

- Promoveu e financiou diversas iniciativas culturais que contribuíram para chamar à atenção para o excelente património urbanístico da freguesia, embora a maior parte esteja adulterado ou irreconhecível na sua traça original. 

A tudo isto temos que juntar a abertura de dois outros parques de estacionamento (mercado de Alvalade norte e o parque das Confeiteiras), a abertura do Centro Académico de Lisboa (antigo Caleidoscópio), recuperação do Jardim do Campo Grande, da Mata de Alvalade, etc.

Tratam-se de um conjunto de ações que não têm paralelo nos últimos quarenta anos na freguesia de Alvalade.

O problema é que André Moz Caldas, após dois anos à frente da junta, fartou-se da mesma e começou a sonhar com voos mais elevados. Dedicou-se ao comentário político nos orgãos de informação social, assumiu o cargo de chefe de gabinete do ministro das finanças, etc. , e acabou por ficar sem tempo para aturar os fregueses e acompanhar o que se passa na freguesia. A gestão da junta foi entregue a assessores e a técnicos superiores, com uma limitada capacidade de decisão.

O resultado desta ausência foi a crescente descoordenação nas ações em cursos na freguesia.

A criação do Conselho Social de Alvalade (CSA), por exemplo, se lhe permitiu no inicio dar-se a conhecer às várias entidades da freguesia, pela sua ausência tornou-se num péssimo cartaz da sua ação como presidente. Muitos dos que participaram nesta iniciativa sentiram-se usados ou defraudados nas expectativas de ação que depositavam na CSA.

Também várias ações na freguesia envolvendo a CML, EMEL, Junta de Freguesia, PSP e Polícia Municipal revelaram-se um completo caos, devido à ausência de uma entidade de coordenação local.

A junta, por exemplo, foi sistematicamente alertada pelos moradores para a apropriação de espaços públicos e nada fez. Desta forma transmitiu um sinal que a impunidade era para continuar.

A junta, por exemplo, foi alertada  para vandalismo provocado pelos donos de cães nos jardins que acabara de requalificar e nada fez. O resultado foi andar a esbanjar dinheiro em obras que passado pouco tempo depois já estavam destruída.

João Ferreira, o candidato do PCP, na última assembleia descentralizada no Caleidoscópio, assegurava que esta posição das juntas em ignorarem a vandalização dos espaços públicos era porque os seus presidentes temiam perder votos com ações repressivas sobre os fregueses prevaricadores.

Conclusão: a JF de Alvalade chumba em toda a linha na fiscalização e na repressão dos infractores nas áreas que lhe foram atribuídas. Prefere esbanjar dinheiro ou ignorar situações em que devia actuar só para não perder votos.

Apesar do meritório trabalho realizado pela junta de freguesia, devido ao afastamento de André Moz Caldas, a sua reeleição está cada vez mais dependente da apreciação que os eleitores fizerem do trabalho de Fernando Medina à frente da CML.

 

PSD. Passos Coelho transmitiu aos militantes do PSD a mensagem que as eleições autárquicas de 2017 estavam perdidas em Lisboa. A embrulhada que aconteceu com a escolha de candidatos para a CML, ocorreu com  escolha para a junta de freguesia de Alvalade.

O presidente interino do PSD-Lisboa (Rodrigo Gonçalves) escolheu como candidato para junta de Alvalade um antigo vereador da cultura da CML - José Amaral Lopes - no tempo de desastrado Carmona Rodrigues. Teresa Leal Coelho recusou esta proposta (Abril de 2017) e impôs o nome de um aluno de direito da Universidade Lusíada de Lisboa, onde a mesma dá aulas. O "ilustre" desconhecido - Nuno Pedroso -  estudou direito nesta universidade privada entre 1993 e 2000. Tem trabalhado sempre para empresas espanholas: entre 1995-2007 para o banco BBVA, e  depois para a Zara (Inditex). Pelo meio foi estudar para Navarra/AESE, a principal base de formação dos quadros da Opus Dei.

Ao que tudo indicava, nestas autárquicas, haveria mais uma luta local entre a maçonaria e a Opus Dei, uma organização solidamente implantada no Campo Grande, onde conseguiu acabar com o histórico retiro de patuscadas e boémia "Quebra Bilhas" , que remontava ao século XVIII, transformando-o num retiro espiritual...

Teresa Leal Coelho, recorde-se, em 2014 foi acusada de mover na Assembleia da República uma feroz perseguição à maçonaria ao defender a obrigação dos seus membros declararem publicamente a sua filiação (Sábado, 10/11/2014).

O PSD reagiu e impôs uma nova mudança: A substituição de Nuno Pedroso por Pessoa e Costa !. Uma sinistra personagem muito bem conhecida do Jornal da Praceta.

Muita coisa nos separou no passado: Pessoa e Costa foi durante anos um dos acérrimos defensores da privatização dos jardins públicos de Lisboa para a sua transformação em parques de estacionamento, uma ideia e uma negociata a que sempre nos opusemos.

No período de Pedro Santana Lopes (2002-2005) notabilizou-se por uma hilariante intervenção na Assembleia Municipal de Lisboa sobre os logradouros do Bairro de Alvalade. O homem jurava a pés juntos que nestes espaços não haviam lixeiras, barracas, negociatas, etc. A risada foi geral.

Com semelhantes ideias observamo-lo sempre a subir na CML. Quando em 2004 é criada a Ambelis - Agência para a Modernização Económica de Lisboa -, foi chamado para a sua presidência. A Ambelis era então a guarda avançada dos lóbies da construção civil e especulação imobiliária em Lisboa. Nesta altura a CML entrara num completo desvario. Somavam-se os casos de corrupção, acumulavam-se as dividas do município. Santana Lopes sai da CML deixando o município em frangalhos. Carmona Rodrigues, eleito em 2005, para salvar o barco camarário começa a liquidar as empresas municipais que tinham sido criadas. A Ambelis é extinta e Pessoa e Costa afastado (2007). Durante alguns anos sucederam-se em tribunal os julgamentos de casos de corrupção, peculato, abuso de confiança, etc. nas empresas municipais.

A situação comatosa que vivia a Câmara Municipal de Lisboa desde 2002, como é sabido, acaba por ditar o afastamento de Carmona Rodrigues (2007),  tendo sido marcadas eleições intercalares para a câmara que foram ganhas por António Costa.

De Pessoa e Costa, após estes anos esperamos pacientemente uma ideia para Lisboa ou a freguesia de Alvalade, mas nunca a tivemos. Alimentamos ainda alguma esperança que deste candidato surja alguma ideia para melhorar Alvalade e sejamos finalmente recompensados por tão longa espera.

O PSD, uma vez mais, ao propor este tipo de candidatos está a prestar um mau serviço a Lisboa e à democracia. Lisboa merecia mais respeito.

A barracaria nos logradouros do Bairro das Caixas que Pessoa e Costa garantiu na Assembleia Municipal de Lisboa não existir.  Logradouro junto à Escola Básica de Santo António.

 

   





 

Editorial

Entrada

História local
Guia do Lazer
Quiosque
 
 
   
   
    

Descubra as Novidades nas Diferentes Secções 

Nove contos originais estão à sua espera no Jardim Infantil